11 de janeiro de 2017

Bira - Agente de saúde: Relações sexuais passivas expõem mais mulheres e h...

Bira - Agente de saúde: Relações sexuais passivas expõem mais mulheres e h...:  Por Ubiraci Moraes Dados da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) revelam que 37% (10.166) dos casos de infecção pelo HIV registrado...

5 de janeiro de 2017

GUAPIMIRIM - Entre lobos e Ienas

Começamos um novo ciclo em Guapimirim. Muitos votaram no novo prefeito do município, Zelito Tringuelê, acreditando que ele será a diferença! Eu também!!!


Adesivei meu carro com a publicidade de campanha dele. Coloquei muitos post seus no meu perfil do Facebook, fiz matérias em meu blog em favor de sua campanha, discuti, fiz inimigos e não me arrependo, faria tudo novamente!


Apesar da presença de algumas pessoas duvidosas na sua equipe administrativa,mas essas participações são inevitáveis. Mesmo assim acredito na capacidade e nas boas intenções do prefeito para administrar o município. Pela primeira vez o município, não está nas mãos dos políticos e das corriolas geradas na mesma incubadora!



Não faço parte do governo de Zelito Tringuelê, apenas confio e acredito nele. Estarei a disposição dele, através da Agenda 21 de Guapimirim, para ajudá-lo no que precisar. Ainda acredito em dias melhores para a nosso querido município de Guapimirim. Creio mesmo!!!

Porém não posso calar-me. Muito me assusta ver a presença do Deputado Federal Celso Pansera do PMDB-RJ em nossa cidade, principalmente no primeiro dia da nova administração! Este senhor é totalmente desprovido de personalidade própria, presta-se a qualquer papel em troca de alguma vantagem... Se é para caminhar com o partido de Ismeralda Rangel, então porque não caminhar como Deputado Federal José Augusto Nalin, também do PMDB-RJ. Este e sua família sempre estiveram em nosso município, empreendendo, gerando em Emprego, Trabalho e Renda. Não sei se ainda é, mas era proprietário de um sítio no Vale das Pedrinhas e muitos parentes seus sempre foram moradores e empreendedores do lugar! 

Quem é Celso Pansera? 

O Deputado Federal Celso Pansera (PMDB-RJ) foi Ministro de Ciência e Tecnologia no governo da presidente Dilma Roussef.

Ed Ferreira/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo
Passou por 4 partidos

Nascido em São Valentim (RS), Pansera é formado em letras. Aos 26 anos, mudou-se para o Rio. Foi filiado ao PT, que deixou em 1992 para aderir ao grupo que fundou o PSTU. Pansera foi depois para o PSB, que deixou quando Eduardo Campos lançou-se candidato a presidente. Aderiu então ao PMDB de Cunha, onde se elegeu pela primeira vez deputado federal. 

Homem de confiança e mentor do ex-prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso.

É amigo e cúmplice de longas datas deste ex-prefeito Caxiense, que acaba de deixar o cargo ao qual executou com destra incompetência, desmandos, imoralidades e falta de decência. Além de acabar com o município, que possui uma das maiores arrecadações do estado, o ex-prefeito também roubou os valores que eram descontados dos funcionários para pagamentos das parcelas referentes aos empréstimos consignados, que contraíram junto a Caixa Econômica Federal. Em face disto, esses funcionários tiveram seu nomes (que eram ilibados), inscritos nos cadastros de maus pagadores,entre eles SPC e SERASA.
Consta nos bastidores da política local, e no da do estado, que o saqueiro, como é conhecido Celso Pansera, devido a sua mão está sempre protegendo o saco escrotal do ex-prefeito, sempre endossou e protegeu os feitos do pervido, debochado e mau caráter administrador caxiense, valendo-se de seu cargo em Brasília 

Primeira eleição
No PMDB desde 2013, foi eleito com 58.534 votos - a primeira vez que se candidatou. A campanha arrecadou R$ 1,2 milhão. Declarou à Justiça Eleitoral ter R$ 575 mil em bens - um bar, um carro Sorento e um apartamento

Dono de restaurante


Pansera é dono de um restaurante em Caxias, o Barganha.É um Self-service.O nome é bem sugestivo, segundo o dicionário o significado de Barganha é: Ato de troca lícita ou ilícita em que apenas uma das partes é favorecida.

Acusado de "pau-mandado"

Celso Pansera foi acusado de ser "pau-mandado" do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pelo doleiro Alberto Youssef, em depoimento na CPI da Petrobras. Pansera apresentou requerimentos para que a comissão investigasse familiares de Youssef, o que foi interpretado pelo doleiro como uma forma de o intimidar. Youssef foi quem primeiro citou o nome de Cunha como envolvido no esquema de corrupção da Petrobras e, por isso, chamou o deputado de "pau-mandado" de Cunha

Currículo na Ciência


Ele já foi secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro e é titular e membro ativo da Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI). A convite do governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ), presidiu a Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro - FAETEC (2007-2014). Por esse período, responde por processo movido pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, que investiga violação aos princípios administrativos e improbidade administrativa. Além de ter praticamente extinguido a mesma!CHANTAGEM DE PANSERA NÃO VAI COLAR!

Temas polêmicos

Na Câmara, Pansera votou contra a redução da maioridade penal, e sobre casamento gay, diz que "as pessoas têm o direito de fazer sua opção" O que não ficou claro na ocasião se estava se referindo ao casamento gay, ou a sua opção de voto sobre o tema.

Conclusão:

Nessa história de "pau-mandado" ou mandado no pau, consta nas alcovas dos lugares por onde passou, que o sujeito também é voltado a um assédio, e que sempre está envolvido com alguma periguete do serviço público!

O que posso afirmar com todas as letras, é que este bacharel em letras, como administrador e conselheiro político ou de gestão, é um razoável professor de língua portuguesa, nada mais. Pois nas entidades e secretarias pela qual passou, foi tal qual um gafanhoto, comeu o que pode e deixou prejuízo e destruição. Tudo devastado! Inclusive levando a falência do ensino técnico no estado do Rio de Janeiro!


Sendo assim, parece que continuaremos submissos ao nosso velho e conhecido PMDB. Que as relações de Guapimirim com Eduardo Cunha, que continua mandando em sua facção criminosa lá de dentro do presídio, permanecerão. Desta vez através de Celso Pansera! Só lembrando que esta relação foi iniciada pelo ex-prefeito Marco Aurélio Dias em 2014!!!


As perguntas que não se calarão por enquanto!

O que estaria fazendo em Guapimirim Celso Pansera
E o ex-prefeito lá de Duque de Caxias, mau caráter do Alexandre Cardoso, será que quando voltar de sua fuga para Portugal, ciscará por estas bandas?
Qual vantagem poderia, se não nenhuma, trazer para Guapimirim? Hoje ele por ter ficado ao lado de Dilma Roussef, está desprestigiado no governo e marginalizado pelo PMDB?
Será que existe algum  arranjo entre Zelito, Alexandre e Celso, desde os tempos que foram contemporâneos no PSB - 40? Lembram do Guapi 40 graus?

Eu não esqueci. por isto mesmo, estou colocando minhas barbas de molho e estarei atento a tudo e a todos? 
Já comecei a levantar os nomes da Equipe de Zelito e estou traçando alguma teia interligando-os uns aos outros? Aguardem!

Mas uma vez boa sorte Zelito Tringuelê, você tem tudo para fazer um excelente governo, o melhor que esta cidade já viu e teve. E assim acabar de vez com as memórias dos governo de ficção e o estigma de cidade cenográfica, que Guapimirim tem. Uma cidade dizem que tudo foi feito, que tem isso e aquilo,  mas nada existe ou funciona de fato!

Que Deus o Abençoe nos próximos quatro anos e sempre!!!

Fontes: Notícias UOL

3 de janeiro de 2017

Alzheimer 7 - Prognóstico, Epidemiologia, História, Sociedade e Cultura

Prognóstico


Esperança de vida corrigida pela incapacidade para a doença de Alzheimer e outras demências por cada 100 000 habitantes em 2004.
É difícil diagnosticar a doença de Alzheimer durante os primeiros estágios. O diagnóstico definitivo geralmente só consegue ser determinado quando o défice cognitivo compromete a realização de atividades diárias, embora a pessoa possa continuar a viver de forma independente. Os sintomas progridem desde ligeiros problemas cognitivos, como perda de memória, até estágios avançados de distúrbios cognitivos e não cognitivos que impossibilitam que o paciente viva sozinho, especialmente durante a fase final da doença.
esperança de vida da população com Alzheimer é reduzida. A esperança média de vida após o diagnóstico é de aproximadamente sete anos. Menos de 3% das pessoas vive para além dos quatorze anos. Apesar de nos casos de Alzheimer precoce a média da esperança de vida ser superior, é bastante mais reduzida quando comparada com a generalidade da população. O prognóstico de sobrevivência é menos favorável em homens do que em mulheres.
A doença é a causa de morte subjacente em 70% dos casos. pneumonia e a desidratação são as mais frequentes causas de morte imediata. As características da doença associadas a esta reduzida sobrevivência são o agravamento do défice cognitivo, a diminuição das capacidades executoras, a ocorrência de quedas e transtornos neurológicos.

Epidemiologia

As duas principais medidas usadas em estudos epidemiológicos sobre Alzheimer são a incidência e a prevalência. A incidência é o número de novos casos por cada unidade de pessoa-tempo em risco; geralmente, o número de novos casos por cada milhar de pessoas-ano. A prevalência é o número total de casos da doença em determinada população a dado momento. No que diz respeito à incidência, os estudos longitudinaisCoorte (estudos onde a população sem a doença é seguida ao longo dos anos) mostram taxas de incidência entre 10 a 15 por cada mil pessoas-ano para todas as demências e entre 5-8 para os casos específicos de Alzheimer, o que significa que mais de metade de todos os novos casos anuais de demência são Alzheimer. A idade avançada é o principal fator de risco da doença, pelo que a taxa de incidência não é igual em todas as idades: por cada cinco anos após os 65 anos, o risco de adquirir a doença duplica, em média. Existem também diferenças entre os sexos na taxa de incidência, uma vez que as mulheres apresentam maior risco de desenvolver Alzheimer, principalmente acima dos 85 anos. Existe uma relação inversamente proporcional entre a prevalência de demência e a escolaridade. Nos indivíduos com oito anos ou mais de escolaridade a prevalência é de 3,5%, enquanto que nos analfabetos é de 12,2%.
A prevalência de Alzheimer em determinada população depende de diversos fatores, entre os quais a incidência e a taxa de sobrevivência. Uma vez que a incidência de Alzheimer aumenta com a idade, é especialmente importante considerar a média de idades da população a estudar. Em Portugal e durante o ano de 2009, a Alzheimer Europe estima que existam cerca de 153 000 pessoas com demência, das quais 90 000 com Alzheimer. No Brasil, em 2009, o número total de casos era de cerca de um milhão. Nos Estados Unidos, segundo dados de 2000, estima-se que a prevalência seja de 1,6% no intervalo entre os 65 e 74 anos, aumentando para 19% no intervalo de 75-84 e para 42% no intervalo superior a 84 anos. Em regiões menos desenvolvidas, as taxas de prevalência são inferiores. A Organização Mundial de Saúde estima que em 2005 0,379% das pessoas em todo o mundo tivessem demência, número que aumentará para 0,441% em 2015 e para 0,556% em 2030, conclusões que são confirmadas por outros estudos. Outro estudo estimou que em 2006 0,4% da população mundial (intervalo entre 0,17–0,89%) fosse atingida por Alzheimer, o que corresponde a um número absoluto de 26,6 milhões (intervalo 11,4–59,4 milhões). Estima-se também que em 2050 a taxa de prevalência será três vezes superior e o número absoluto de casos quatro vezes superior.

História


Equipe do laboratório de Alois Alzheimer (3º a contar da direita na fila superior). Alzheimer foi o primeiro a identificar a doença, em 1901. Da equipa fazia também parte Friedrich Lewy (1º a contar da direita na fila superior), o qual descobriu os corpos de Lewy.
Já na Antiguidade clássica os médicos e filósofos gregos e romanos associavam a progressão da demência à idade avançada. No entanto, só em 1901 é que o psiquiatra alemão Alois Alzheimer identificou pela primeira vez um caso da patologia que viria a ser denominada doença de Alzheimer, numa mulher de cinquenta anos a que chamava Auguste D. O médico seguiu a paciente até à sua morte, em 1906, data em que publicou o primeiro relatório sobre o caso. Durante os cinco anos seguintes, foram reportados na literatura médica onze casos semelhantes, alguns dos quais referindo-se já à doença pelo termo Alzheimer. A doença foi pela primeira vez descrita como condição autónoma por Emil Kraepelin, depois de ter suprimido algumas das características clínicas (alucinações) e patológicas (alterações arterioescleróticas) do relatório original de Auguste D. Kraepelin incluiu a doença de Alzheimer, também denominada por si "demência pré-senil", na oitava edição do seu Manual de Psiquiatria, publicado em 15 de julho de 1910.
Durante a maior parte do século XX, o diagnóstico de Alzheimer era reservado para indivíduos entre os 45 e 65 anos de idade que desenvolviam sintomas de demência. No entanto, esta terminologia foi alterada em 1977 após numa conferência se ter concluído que as manifestações patológicas da demência senil e pré-senil eram praticamente idênticas, embora os autores também tenham acrescentado que isto não excluía a hipótese de terem diferentes causas. Isto levou a que o diagnóstico de Alzheimer se tornasse independente da idade. Durante algum tempo usou-se o termo "demência senil do tipo Alzheimer" para descrever a condição em pacientes com idade superior a 65 anos, enquanto que o termo "doença de Alzheimer" era usado para as pessoas com idade inferior. Finalmente, o termo "doença de Alzheimer" foi adotado pela nomenclatura clínica para descrever indivíduos de todas as idades com um quadro de sintomas, evolução e neuropatologia em comum.

Sociedade e Cultura

Custos sociais

A demência, e especificamente a doença de Alzheimer, está entre as doenças com maiores custos sociais na Europa e nos Estados Unidos, sendo também cada vez maior noutros países como a Argentina ou a Coreia do Sul. Estes custos têm tendência a aumentar com o envelhecimento da população, tornando-se cada vez mais um problema social. Os custos associados à doença de Alzheimer incluem despesas médicas diretas, como as despesas com enfermagem ou apoio domiciliário, despesas médicas indiretas, como a estadia em centros de dia, e custos indiretos, como a perda de produtividade não só do paciente como do prestador de cuidados. Embora os números difiram entre os vários estudos, o custo da demência à escala global foi estimado em cerca de 160 mil milhões de dólares.

A principal fonte dos custos sociais é a prestação de cuidados de saúde a longo prazo por profissionais de saúde e, em particular, o internamento em instituições, o qual corresponde a dois terços dos custos. O custo de vida na residência é igualmente muito elevado, sobretudo quando são também contabilizados os custos para a família, como o tempo investido na prestação de cuidados ao doente e a perda de rendimento daí decorrente. Os custos aumentam à medida que aumenta a gravidade da doença e a presença de distúrbios comportamentais, estando também relacionados com o aumento progressivo do tempo exigido para os cuidados físicos. Desta forma, qualquer tratamento que atrase o declínio cognitivo, que atrase o internamento ou que reduza o número de horas na prestação de cuidados traz benefícios a nível econômico. As avaliações econômicas dos tratamentos atuais demonstraram resultados positivos.

Encargos para os cuidadores
Em muitos casos, é o cônjuge ou um familiar próximo quem assume o papel de principal cuidador. Os cuidadores são responsáveis pela manutenção da segurança física, redução da ansiedade e agitação, melhoria da comunicação, promoção da independência nas atividades de autocuidado, atendimento das necessidades de socialização e privacidade, manutenção da nutrição adequada, controlo dos distúrbios do padrão de sono e transporte para serviços de saúde, além das inúmeras atividades diárias de cuidados domésticos. A doença tem um impacto significativo para os cuidadores, a nível social, psicológico, físico e económico. Os pacientes e a família geralmente preferem o apoio domiciliário.Esta opção também atrasa ou elimina a necessidade de tratamentos profissionais e de maior custo económico.
Os cuidadores de pacientes com demência estão susceptíveis a uma elevada prevalência de transtornos mentais e físicos. Entre os fatores de risco que contribuem para esta prevalência estão a presença da pessoa cuidada em casa, o fato do paciente ser o cônjuge e determinados comportamentos do paciente que exigem elevada atenção, como depressão, distúrbios de comportamento, alucinações, problemas de sono ou isolamento social. Em relação aos problemas económicos, os familiares cuidadores muitas vezes abdicam de tempo no emprego, acompanhando em casa o paciente, em média, 47 horas por semana. Nos Estados Unidos, os custos diretos e indiretos do acompanhamento em casa de um paciente com Alzheimer variam entre 18.000$ e 77.500$ por ano. A terapia cognitivo-comportamental e o ensino de estratégias de coping, quer individualmente quer em grupo, têm demonstrado alguma eficácia na melhoria da saúde mental dos cuidadores.

Investigação

Tratamentos 

À data de 2014, foram ou estavam a ser investigados mais de 400 possíveis tratamentos farmacológicos em mais de 1500 ensaios clínicos à escala mundial, cerca de um quarto dos quais na última fase antes de revisão pelas entidades reguladoras. Uma das principais áreas de investigação clínica foca-se no tratamento da patologia da doença. Um dos objetivos mais comuns dos compostos atualmente em investigação, como no caso da apomorfina, é a diminuição da quantidade de beta amiloides. Em estudo encontra-se também a imunoterapia ou vacinação contra a proteína amiloide.[242] Ao contrário da vacinação de prevenção, esta terapia seria usada no tratamento de pessoas já diagnosticadas e baseia-se no conceito de treino do sistema imunitário para reconhecer, atacar e reverter a deposição de amiloide, invertendo o curso da doença. Uma destas vacinas é o bapineuzumab, um anticorpo desenhado para ser idêntico ao anticorpo anti-amiloide natural.

Entre outras abordagens estão os agentes neuroprotetores, como o AL-108, e os agentes de atenuação das interações proteína-metal, como o PBT2. O etanercepte, uma proteína de fusão bloqueadora dos recetores TNFα, mostrou resultados promissores. Verificou-se que o vírus da herpes (HSV-1) se implantava no mesmo local das placas de amiloide, o que sugere a possibilidade da doença de Alzheimer ser tratada ou prevenida com medicamentos antivirais.
Em 2008, dois ensaios distintos demonstraram resultados positivos na alteração do curso da doença em Alzheimer leve a moderada após a administração de cloreto de metiltionínio (marca comercial "Rember"), um fármaco que inibe a agregação de proteína tau, e latrepirdina (marca "Dimebon"), um anti-histamínico. Os ensaios de fase III com Dimebon não conseguiram demonstrar efeitos positivos. A investigação com metiltionínio demonstrou que a biodisponibilidade de metiltionínio era afetada pela alimentação e acidez do estômago, levando a dosagens inesperadamente variáveis. Estão em ensaios de fase III novas fórmulas, como o pró-fármaco LMTX.
Alguns estudos indicam que a utilização prolongada de Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) por pessoas com doenças crónicas pode oferecer alguma proteção contra a demência. A relação pode ter origem em várias substâncias pró-inflamatórias envolvidas na fisiopatologia da doença e diretamente presentes em placas neuríticas, assim como pela ação direta de certos anti-inflamatórios sobre a clivagem de proteína precursora de amiloide. O ibuprofeno e a indometacina - mas não o naproxeno, o celecoxib ou o ácido acetilsalicílico - demonstraram reduzir os níveis de Aβ acima de 80% em culturas celulares. Como nem todos os anti-inflamatórios não esteroides apresentaram esse efeito, acredita-se que essa redução ocorra por um processo independente da atividade anti-inflamatória sobre a ciclo-oxigenase.
A empresa de fármacos Eli Lilly divulgou em 2015 os primeiros resultados de testes clínicos com a droga Solanezumab, que reduz a taxa de progressão da doença de Alzheimer. Caso seja aprovada em futuros testes, a droga poderá ser a primeira a efetivamente reduzir a progressão do Alzheimer. Também em 2015, Dr. Bence Gyorgy, do Massachusetts General Hospital e Xandra Breakefield estavam trabalhando com ratos de laboratório, em um esforço para desenvolver abordagens baseadas CRISPR para tratar Alzheimer e para corrigir uma forma genética da surdez.
Meios de diagnóstico
Em pessoas já com demência, a tomografia computorizada por emissão de fotão único (SPECT) aparenta ser superior a distinguir a doença de Alzheimer de outras causas possíveis, em comparação com os convencionais testes mentais e análise do histórico clínico. Os avanços nesta área levaram a que fossem propostos novos critérios de diagnóstico. A ressonância magnética volumétrica permite detetar alterações no tamanho das regiões do cérebro. A medição das regiões que sofrem atrofia durante a evolução da doença de Alzheimer é promissora enquanto indicador de diagnóstico e pode vir a ser menos dispendiosa do que outros métodos imagiológicos atualmente em estudo. Embora o composto B de Pittsburgh ainda se encontre em investigação, um radiofármaco semelhante para tomografia por emissão de positrões, denominado florbetapir, foi recentemente aprovado nos Estados Unidos para o diagnóstico de Alzheimer.
Veja também
REFERERÊNCIAS NA WIKIPÉDIA

2 de janeiro de 2017

Famosos vão a lançamento de livro no Leblon - Fotos Cleomir Tavares




Vários famosos estiveram nesta quarta-feira dia 21 de dezembro no lançamento do livro "Vieira Souto 458″ na livraria Argumento, no Leblon. O livro de estréia é do autor Lui TPS com edição de Renata Faria Nascimento e Tony Bellotto assinou o prefácio.





Malu Mader, Tony Belloto, Dudu Azevedo, Erika Mader, Paulo Rocha, Narcisa Tamborindeguy, foram alguns dos famosos que foram prestigiar o autor Lui TPS


O livro é um texto crítico e picante sobre a juventude dourada carioca no final dos anos 2000. Qualquer semelhança com a realidade é mera concidência. 





A última frase do prefécia vale ser copiada. "Lui TPS nos arremessa ao fosso existencial onde uma juventude sombria sorri á luz do sol".





FOTOS:  CLEOMIR TAVARES / DIVULGAÇÃO
Instagram Cleomir Tavares

Facebook Cleomir Tavares